por Mirella Falcão

Centro de compras terá 156 lojas, com âncoras e megalojas, e deve começar a operar no próximo ano.

Veja como fica o Shopping Center Granhuns

A Cidade das Flores vai inaugurar seu primeiro shopping center em outubro do próximo ano. Com um investimento de R$ 120 milhões, o Shopping Garanhuns terá 156 lojas, sendo quatro âncoras e 4 megalojas, além de 1,5 mil vagas de estacionamento. Entre os lojistas, muitas marcas que ainda são novidade no município. Serão gerados 2,5 mil empregos na construção e 1,8 mil diretos na operação. O centro de compras vai integrar um complexo que terá também hipermercado, hotel, empresarial e centros de convenção.

O mall ficará às margens da BR 423, a uma distância de 1 km da entrada da cidade e a 3 km do centro. O shopping vai ocupar uma área total de 100 mil m2. Cerca de 40% da área bruta locável, que é de 25 mil m2, já foi comercializada. As quatro âncoras serão Lojas Americanas, Marisa, Riachuelo e C&A. Nenhuma das marcas possui loja no município. As megalojas serão Magazine Luiza, Casas Guido, Insinuante e Sapato’s. São três salas de cinema, sendo uma delas equipada com tecnologia 3D. Outras novidades estão entre as dezesseis operações de alimentação, com franquias que ainda não operam em Garanhuns, como McDonald’s, Bob’s e Subway. Haverá ainda mais dois restaurantes, que terão um horário alternativo ao do shopping, adianta um dos sócios do mall, Janio Almeida.

O Shopping Garanhuns é uma sociedade da Almeida Irmãos Empreendimentos, grupo local que atua no comércio de veículos e combustíveis, com as paulistas Sacs Consult (opera 106 shoppings no país) e Pró-Shopping (que tem cinco shoppings. Entre eles, o Iguatemi de Maceió), além da pernambucana Arclima. ´Garanhuns já sofre com a falta de pontos no comércio do centro. Pelo porte da cidade, que tem 130 mil habitantes e área de influência de até 50 km, totalizando mais de 1 milhão de consumidores, já era para ter um shopping`, justifica Almeida.

A cidade que era um polo industrial de leite e derivados, está se transformando em um polo médico e educacional no Agreste Meridional. Como há um compromisso de contratar mão de obralocal e o volume de empregos gerados é alto, o impacto na nossa economia será grande. Também vai ajudar muito o turismo do município`, diz Ornilo Lundgren, secretário de Desenvolvimento Econômico. Será um shopping verde, com projeto de reuso da água, energia solar e captura do ar frio, reduzindo em até 18% a energia consumida na refrigeração.

O shopping já surge preparado para triplicar o tamanho nos próximo anos. Deixamos reservada uma área de 200 mil m2, prevendo duas expansões. Acredito que a primeira ampliação deve acontecer depois dos dois primeiros anos de operação`, detalha o empreendedor. Ao todo, o complexo terá 1,36 milhão de m2, prevendo ainda hipermercado, hotel, centro de convenções e empresarial.

   
Fonte: diáriodepernambuco
Anúncios